A rapariga que roubava livros

01-03-2018

Apresentação da aluna Lara Ferreira, da turma F, do 8.º ano

Elementos paratextuais

  • Título: A Rapariga que Roubava Livros
  • Autor: Markus Zusak
  • Editora: Editorial Presença
  • Ano de edição: 2014
  • N.º de páginas: 468

Biografia do autor

Markus Zusak nasceu em 1975, na Austrália. Cresceu a ouvir histórias sobre a II Guerra Mundial , sob a perspetiva da Alemanha, o país natal da sua mãe.

Com a publicação de A Rapariga que Roubava Livros, a crítica internacional, tanto da Austrália como dos Estados Unidos, considerou-o como um fenómeno literário e um dos mais inovadores e poéticos romancistas da atualidade.

Aos quarenta e dois anos este é o seu quinto livro e foi já galardoado com diversos prémios. Sobre ele, Zusak diz "Quis escrever algo completamente diferente do que tinha feito antes".

Resumo

Esta história passa-se entre 1939 e 1943 na Alemanha, na época do Holocausto e conta a história de uma menina chamada Lisel Meminger. Desde o início da sua vida, Liesel, sempre precisou de encontrar formas de se convencer do sentido da vida. Assistiu à morte do irmão no colo da sua mãe e foi deixada pela mesma ao cuidado de pessoas estranhas: Hans e Rosa Hebermann, um pintor desempregado e uma dona de casa sempre mal-humorada. A personagem trazia escondido na sua mala um livro O Manual do Coveiro, o primeiro livro que Lisel roubou, durante o enterro do próprio irmão.

Liesel aprendeu a ler e conheceu um judeu que morava clandestinamente na casa dos seus pais adotivos. Também travou amizade com Rudy, um rapaz que era o seu grande companheiro do aventuras.

Foi a sua grande paixão pelos livros que a ajudaram a ultrapassar todas as dificuldades, principalmente quando Max, o judeu que vivia escondido na sua casa e se tinha tornado o seu grande amigo, adoeceu.

E sempre ao seu lado, como testemunha do seu sofrimento estava a Morte e a guerra que nunca mais terminava. 

Reflexão

Este livro mostra-nos que, apesar de todas as dificuldades que possam surgir, haverá sempre maneira de as ultrapassarmos. No caso de Liesel, a menina que viveu numa época em que não existia liberdade e em que havia uma grande perseguição aos judeus, os livros eram o seu refúgio e uma forma de viver aquilo que para ela seria impossível. Conseguiu aprender a ler e, desta forma, foi desvendando a histórias de tantos livros que a faziam esquecer os maus momentos.

No desenrolar dos acontecimentos, entendemos que Liesel teve de ser muito forte durante toda a vida, pois vivia escondida e com medo que o segredo da sua família fosse descoberto. Liesel nunca abandonou o seu melhor amigo, Max, e ambos conseguiram transpor os problemas juntos.

A amizade é um sentimento que perdura e, ainda hoje, quantos de nós minimizam as agruras da vida através dos laços da amizade?